14 de junho de 2008

So don't go away...

Passou a tarde toda na cama. Até que decidiu se levantar. Pegou uma garrafa de vinho, vestiu a meia colorida e colocou uma música pra tocar. Começou a andar pelo cômodo imaginando que ele estaria ali em sua frente, com sua camisa que combinaria com a cor do vinho. E em meio à andança, partiu para a dança. Levemente, suavemente, ela deslizava pelo taco abraçada dele. Quanto mais perto ficavam um do outro, surgia a sensação de que a música ia ficando mais baixa, de que a luz ia se apagando, de que o mundo estava parando de rodar. Eram sensações inexplicáveis! Eram, porque a última frase da música anunciava o fim da dança... O mundo voltou a girar e ela se lembrou de que estava sozinha no apartamento. Não tinha ele, não tinha toque, nem dança. O que restou foram lembranças, um recado num papel, tempo de sobra, a tal da saudade e meia garrafa de vinho.

Um comentário:

Iriê disse...
Este comentário foi removido pelo autor.