16 de dezembro de 2008

Dois gumes


Soundtrack: A Fine Frenzy - Near to you

E sempre fica a pergunta: onde estava o problema? O problema era gostar demais, sonhar demais, ser diferente demais? O problema era ser sensível, era não conseguir esconder o que sentia? Não! O problema era o fim e o fim é isso. O ponto final! É o momento em que sobram papéis a espera de palavras de amor e os ouvidos se acostumam com o silêncio, ainda que sintam falta do “te amo”. O fim chega quando você se pega na chuva tentando fazer a pessoa aparecer ali ao teu lado de novo, numa espécie de mágica. O fim nos chama a vê-lo quando o telefone não toca, a mensagem não chega, o sono não vem. O fim chega quando some o brilho do olhar e você não sente mais a mão suada, por passar horas compartilhando da palma do outro. Ele vem quando não tem ninguém para cantar aquela música no teu ouvido, para fazer aquela brincadeira batida ou então te fazer raiva só para depois dizer como você fica linda brava. O fim chega quando se começa a dar nome a tudo... E aí perde o sentido. Ele dói e grita por dentro quando ao espalmar o teu lado só sobe poeira. Mas às vezes, o fim não permanece como culpado por muito tempo. E entra em cena o recomeço, que já chega deixando o palco do coração de cabeça para o ar. Ao primeiro sinal, já te faz pensar que tudo vai ser como antes e então se começa a não ver cura e ao mesmo tempo, não ter vontade de esquecer. Começa a fazer retroceder os dias e a cada manhã sobrar a imagem do sorriso, a sensação do toque. Induz-te a fazer planos e te deixa lá na chuva de novo, com o sorriso no rosto. Enche-te de fé, te faz se manter viva, bonita e até faz adiantar o relógio, arrancar a folha do calendário um mês antes para passar logo o momento do encontro. O recomeço vem e pode ficar... Ou vem e perde o papel. Perde quando recomeçar transforma-se em comodismo. Acomoda-se ao passado e não se tem mais vontade de construir futuro. Acomoda-se às lembranças e não se colocam fotos no álbum novo. Aí o cheiro vai sumindo, a chuva não cai mais, a mensagem é esquecida e o verbo amar que tanto era prezado, vira precipitação. Dessa vez, você entra em cena, sozinha, e o palco é esse mundo louco. A culpa não é de mais ninguém, a não ser daquilo que ainda te faz encontrá-lo.

4 comentários:

Ví disse...

aiiiiii você fala por mim, amiga!
nós sabemos do que se trata..
lindo lindo, só maravilhoso!
te amo tanto tanto!

Daya disse...

uau!
me senti como um daqueles loucos que andam vagando entre sentimentos e palavras com uma plaquinha: 'o fim está próximo'!
Embora eu mto quisesse que assim não fosse...

ps.:volto!

Mari disse...

que éssss!
perfeitooo!

Rafael disse...

esse texto eh um dos meus preferidos!!

mt bom msm!!!

bjao!!
ass: parmalat