5 de março de 2011

Pessoas horóscopo



Soundtrack: Greg Laswell - And Then You

Não acredito em horóscopo. Mas meu signo é Câncer. Meu verbo é "eu sinto" e acho isso completamente esquisito. Coincidência que seja, eu realmente valorizo bastante o sentir das coisas. Aí pego aquela revista no salão e abro no horóscopo do mês: amor, amor, doação, sofre mulher! Quando não leio isso, vem algo do tipo: cuidado com a sua saúde. E sempre tem aquele medo de ler horóscopo velho porque dizem que atrai má sorte. Aí eu prefiro abrir um novinho em folha no twitter só pra ver no que vai dar. E lá vem. #Câncer: dia propício para boas relações. Cor: Azul marinho. Droga! Não tenho uma roupa azul marinho para sair conquistando boas relações. A verdade é que o horóscopo te faz ser uma pessoa generalizada. Você acorda e lê que o dia será lindo, enquanto aquela menina que dá em cima do seu namorado e trabalha com ele também é canceriana. Olha só: ela também terá um dia lindo, do lado do seu namorado! Nessas horas aposto que você pensaria o quanto os astros poderiam dizer: "canceriana que dá em cima do namorado da outra, dia de gripe, fique na cama, cuidado com a saúde". Mas é claro que isso não acontece. Aposto que você lê o horóscopo do dia que te diz para organizar sua bagunça interior e logo você pensa: meu Deus, feito para mim. Sou única e especial para os astros. E aí, amigão? E aí, amigona? Quem não sofre de bagunça interior? Que dia não pode ser especial para se conquistar novas e boas relações? Algo do tipo: geminianos, chorem?! Hoje é meu dia de ser simpática porque os astros disseram e permitiram. Sofram cuidando da sua saúde hoje.
É, não acredito em horóscopo. Como não acredito em nada que não me ataque diretamente, mexa comigo, me faça sentir especial e nem preciso ser o Sol de todos os astros. Confesso que leio às vezes. Como, às vezes, também acabo aceitando as coisas que mexem com metade de mim. Eu me deixo ser lida, mas não mostro o rodapé de página. Famoso rodapé, aquele que os professores mais complicados exigem em cobrar nas provas. Se você leu, você faz a questão. Se não, você faz o básico. Fica ali na média. Na minha escola, não classifico como um aluno mal conceituado. Mas não abro vaga na minha iniciação científica. Não acredito em nada que não destranque minha alma, deixe os meus astros falarem. Não acredito em nada que não me faça respirar aliviada quando encosto no travesseiro sabendo que, ao fim do dia, pude ser eu, por inteira. Acredito no cheiro que fica nas mãos depois do abraço, nos detalhes, seja ao achar lindo um olho menor que o outro, seja ao brigar para que ele não fique corcunda e assim possa continuar maior que eu, alguns centímetros, até ficarmos bem velhinhos. Acredito no olhar único que cada um pode ter, sabendo-se quando está bravo, triste, feliz, com tesão. Acredito no nosso abraço no frio, sabendo que meus pêlos são arrepiados por natureza, mas que fico doente fácil e gosto de carinho. Acredito no sabor do beijo, seja de melancia, seja de canela, seja de pizza de frango. Acredito no silêncio que expressa, na respiração que fala, no oxigênio misturado com gás carbônico e perfume, roubado diretamente do nariz do outro. Acredito no sorriso, não porque tudo fica engraçado quando se gosta de alguém, mas porque é fácil sentir coceira no canto da boca por qualquer coisa. Acredito na falta de planos, na fuga pra qualquer lugar, mesmo com a proporção de 10 pernilongos pra cada cm² do corpo. Acredito na sua voz do outro lado da linha, tentando dizer oi com mais animação, mas ainda demonstrando a sua falta de jeito que me faz querer te apertar a distância. Acredito no toque com cuidado, tirando o cabelo do rosto, no toque sem licença, tirando a roupa, despindo os olhos, unindo os ombros, os queixos. Unindo as diferenças, semelhanças, duplicidades. Unindo as àguas, provocando reações. Acredito no único, na permanência, no inconfundível. Não acredito em "pessoas horóscopo". Generalizadas, pormenorizadas, que precisam de chamados astrólogicos para que se chamem para tudo que envolve viver. Que precisam de uma única cor para um dia, enquanto posso me pintar de todas ou ser charmosa usando verde cor de limão.
Nasci no dia 10 de julho. Segundo meu signo, meu verbo realmente é eu sinto. Mas tudo o que eu sinto, posso falar e fazer por mim mesma. Melhor ainda, com você ao meu lado.

5 comentários:

Alexandre Spinelli disse...

Quanto tempo sem te ler... você cada vez melhor. Como gosto de tuas palavras!
Beijo!

Camila Freitas disse...

Linda, amei seu texto, como é divertido ler... sentir o que você diz... as vezes se encaixar nas suas frases, nesses perfis, nesses momentos. Você escreve e descreve situações que realmente vivemos, coisas que sentimos... como é bom ler e sorrir, se identificar... amei

Rita Buzar. disse...

muito bom!

Luiz Hozumi disse...

Como tem sido usual não sei e nem saberia dizer nada sobre suas palavras depois que a conheci. Não haveria comentário nenhum, não de forma escrita, a se fazer. Ele vem naturalmente, na essência do olhar de olhos de tamanhos diferentes e na vontade que esses consigam sempre seguir outro olhar de direções tb diferentes, vc talvez já o tenha visto, não sei. Mas escrevo agora pq acredito em comentários em blogs. Melhor ainda sendo o seu.

Cacá Farias disse...

Oii, um amigo em comum passou seu blog pra mim! Eu ameeei o texto, até roubei um pedacinho!:P hahahaha